Passa o sal? Nãoooooooooo!!!!!!

Vai um orégano, noz moscada, páprica, alecrim, limão, gengibre, cheiro verde e alho aí?

Redação Viva! Mais 01/08/2017 - 09:21

Recentemente, o Ministério da Saúde anunciou que a indústria de alimentos fará mudanças na composição dos produtos, a fim de cumprir um acordo para reduzir a quantidade de sódio

O brasileiro, é verdade, é um povo que adora um prato bem temperado com sal. Mas o produto não é lá muito saudável para o corpo, se consumido em excesso (como muita gente costuma fazer). A nutricionista Cibele Gonsalves, diretora do Departamento de Nutrição da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), ressalta que o sódio (presente no sal de cozinha e nos produtos industrializados), na medida certa, é necessário ao organismo humano, pois, juntamente com o potássio, contribui para manter o equilíbrio da quantidade de água nas células e o ritmo cardíaco. Porém, seu consumo em demasia está relacionado ao aumento no risco de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), como hipertensão arterial, problemas cardiovasculares e renais, responsáveis por 63% dos óbitos no mundo e 72%, no Brasil. O alerta é do Ministério da Saúde. Um terço dessas mortes ocorre em pessoas com idade inferior a 60 anos.


Recentemente, o Ministério da Saúde anunciou que a indústria de alimentos fará mudanças na composição dos produtos, a fim de cumprir um acordo para reduzir a quantidade de sódio. A meta é retirar um total de 28,5 mil toneladas da substância dos alimentos industrializados até 2020. O sódio está presente tanto no sal de cozinha, como na grande maioria dos produtos industrializados. Nessa fase, o foco é reduzir o sódio de pães, bisnaguinhas e massas instantâneas. Além de prevenir outras doenças, a medida contribuirá para a diminuição da população hipertensa no Brasil, que era de 17 milhões de pessoas em 2016, segundo estatísticas oficiais da pasta.


A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a ingestão máxima diária de dois gramas de sódio. Isso corresponde a cinco gramas de sal (uma colher de café contém um grama). A nutricionista frisa que é importante seguir a recomendação da OMS. “Se fizéssemos isso, reduziríamos as mortes por acidentes vasculares cerebrais e os óbitos por infarto. Essa mudança depende exclusivamente de uma nova atitude de cada cidadão, perante sua própria saúde e de sua família”.


A especialista lista ainda oito opções de temperos naturais, que podem substituir o sal: orégano, noz moscada, páprica, alecrim, limão, gengibre, cheiro verde e alho. “De maneira geral, eles atuam como coadjuvantes na prevenção dos fatores de risco para as doenças crônicas não transmissíveis, pois aumentam o HDL-c (bom colesterol), auxiliam na regulação da pressão arterial e têm ação antioxidante. Além disso, contêm polifenóis, que atuam como anti-inflamatório. Apresentam em sua composição, vitaminas do complexo B, incluindo C e A. Todos esses componentes agregam benefícios que o sal não apresenta. Sendo assim, vale a pena a substituição”, explica a nutricionista da SOCESP.

 

Temperos naturais, como o alho, a cebola, o orégano, o alecrim, a pimenta e o manjericão contêm ainda outras substâncias que ajudam a manter a saúde. A pimenta, por exemplo, contém capsaicina, uma substância antioxidante que combate os radicais livres; o alho é um fitoterápico que estimula o organismo a combater a infecção e a cebola é rica em substâncias anti-inflamatórias. Portanto, substitua o sal de adição por temperos naturais, incremente suas preparações e aprenda a ler o rótulo dos produtos industrializados para verificar a quantidade de sódio. Se a quantidade de sódio for superior a 400mg, em 100g do alimento, ele é considerado rico em sódio e deve ser evitado.

 

Contra-indicação

A única contra-indicação são para aquelas pessoas que tem alguma sensibilidade a um determinado tempero, e isso só se sabe observando a reação do organismo ao introduzi-los na alimentação. Por exemplo, existem pessoas que quando consomem preparações que levam noz moscada sentem azia, outras que relatam dores de cabeça após consumir preparações que levam gengibre. Desta forma, estas pessoas devem evitar a utilização destes temperos. É importante sempre variar e observar o que seu corpo “fala”. Sua saúde e seu coração agradecem!


Veja as substituições para o sal – e os benefícios para a saúde. Use e abuse!

 

Orégano - Mais conhecido pelo seu uso em molhos de massas e em pizzas, pode ser utilizado para temperar legumes, carnes e alimentos salgados no geral. Outra sugestão de consumo é incluí-lo na tapioca e na omelete. Possui ação no sistema imunológico, é antioxidante, antibacteriano e anti-inflamatório.

 

Noz moscada - Muito utilizada em preparações que levam leite, carnes, sobremesas, panquecas e sopas.

 

Páprica - Utilizada para conferir cor nas preparações - como em sopas, arroz, molhos, carnes em forma geral. Combina bem com aves.


Alecrim - Possui ação antioxidante, anti-inflamatória e antibacteriana. Atua no sistema digestivo, aumentando a produção de enzimas, e vai bem com molhos, ensopados, tomates e aves.

 

Limão - Além do suco, o limão é um excelente tempero para saladas e peixe. Ele aumenta as defesas do organismo, facilita a digestão, regula a absorção de açúcares, pela presença de fibras solúveis. Ainda é fonte de potássio, que auxilia no controle da pressão arterial.

 

Gengibre - Tem ação digestiva, diurética, antitrombótica, antidepressiva, antisséptica. Funciona como estimulante da circulação geral e cardiovascular.  Pode ser usado na preparação de sucos, mas também para dar sabor a caldos, sopas e cozidos (sendo descartado no final do cozimento). Tem sido muito utilizado em chás.


Alho -  Ele pode atuar na prevenção de diversos tipos de cânceres, dentre eles os de pele, estômago e cólon. Essa capacidade deve-se à presença de selênio e vitamina C.


Salsinha (ou cheiro verde) - Tem propriedades desintoxicantes, promovendo uma limpeza orgânica, cujos efeitos poderão ser notados em poucos dias. Use como tempero nas saladas e molhos.