Os perigos de uma gravidez na adolescência

Os impactos na saúde emocional e física de uma gestação da juevntude

Redação Viva! Mais

Comum no Brasil, a gravidez na adolescência traz muitos desafios à gestante | <i>Crédito: Shutterstock
Comum no Brasil, a gravidez na adolescência traz muitos desafios à gestante | Crédito: Shutterstock
Ser mãe é o sonho da maioria das mulheres. Mas, o que fazer quando esse desejo se torna realidade na adolescência? A puberdade é uma fase repleta de intensas mudanças, descobertas e formação de identidade. Geralmente, os tabus como namoro e sexo estão em jogo. 
De acordo com dados divulgados pelo Banco Mundial, a cada mil meninas, entre 15 e 19 anos, 70 ficaram grávidas em 2013. Em 2014, segundo estatísticas do IBGE, uma adolescente em cada dez já era mãe. 
A psicóloga Lizandra Arita explica que a adolescência é uma fase de transição, inseguranças e incertezas. Ao receber o comunicado da gravidez é fundamental o apoio emocional e financeiro dos pais, para assegurar a saúde da jovem e do bebê. “A ausência da educação sexual na família está entre as principais causas da gravidez na adolescência. Os pais necessitam quebrar o tabu quando o tema é sexualidade e manter o diálogo em aberto, tanto para a menina, como também o menino”, acrescenta a terapeuta.  
“São inúmeros os riscos que podem afetar a jovem grávida. A gestante menor de 18 anos, por exemplo, pode sofrer uma anemia, o que pode trazer mais complicações para o parto. Hipertensão, infecções, inchaço e depressão pós-parto podem prejudicar a saúde da mãe e do bebê”, explica o ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli.
A pré-eclâmpsia, por exemplo, é a maior causa de morte materna no mundo, mas pode ser evitada e acompanhada para que não evolua para uma eclampsia (com convulsão) ou uma Síndrome de Hellp (com baixa de plaquetas e possível rompimento do fígado). Essa doença ocorre quando a mulher sofre aumento da pressão durante a gestação, a artéria placentária se fecha e a vasoconstrição (diminuição do diâmetro dos vasos sanguíneos) aumenta a resistência para o sangue chegar até o feto. Consequentemente, passa menos sangue, menos oxigênio e menos nutrientes para o bebê.
“Se a gestante sentir dor na boca do estômago (muita gente confunde com gastrite, mas pode ser um sintoma neurológico da pressão alta), dor de cabeça e tiver escotomas, que são aqueles pontinhos cintilantes, luminosos na vista, acompanhados ou não de náuseas e vômitos, é indício de que a pressão está subindo e o pronto-socorro deve ser procurado imediatamente, são muitos os cuidados com uma gestação precoce”, alerta o médico.
A gravidez na adolescência, segundo o médico, ocorre entre as jovens de 15 a 21 anos, em plena fase de desenvolvimento, o que pode interferir no período de gestação. Além disso, Mantelli frisa que é preciso estar alerta para uma série de cuidados com relação aos métodos contraceptivos. Entre os aconselhamentos estão:
- Não interrompa a utilização do contraceptivo para não engravidar;
- Proteja-se e use um método contraceptivo eficaz; 
- Não deixe de consultar o ginecologista, principalmente se iniciou recentemente a vida sexual;
- Se tiver algum problema ou dúvida sobre o método contraceptivo, não hesite em procurar ajuda médica; 
- Informe o médico sobre qualquer medicamento ou pílula que você tomou para evitar a gravidez. Isso evitará que ocorram efeitos colaterais; 
- A menstruação atrasou? Não interrompa o uso do contraceptivo e faça rapidamente um teste de gravidez.

20/04/2017 - 07:00

Conecte-se

Revista Viva Mais