Cuidado! Quem fica muito tempo com o pescoço inclinado mexendo no celular ou no tablet corre riscos

Deixar a cabeça baixa por muito tempo sobrecarrega a coluna e pode provocar complicações sérias de saúde. O contrapeso pode chegar a 15 quilos!

Redação Viva! Mais

Em posição normal, a cabeça de um adulto pesa cerca de 5 quilos, com a postura curvada para baixo o contrapeso pode atingir até 15 quilos | <i>Crédito: iStock
Em posição normal, a cabeça de um adulto pesa cerca de 5 quilos, com a postura curvada para baixo o contrapeso pode atingir até 15 quilos | Crédito: iStock

A vida moderna trouxe uma série de facilidades, entre elas os smartphones e tablets, que, juntas, aliam entretenimento e informações em tempo real na palma da mão. Mas as tecnologias desenvolvidas para facilitar o dia a dia também aumentaram o sedentarismo e uma série de problemas ortopédicos.


De acordo com a coordenadora de fisioterapia do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Silvia da Cruz Serri, praticamente ninguém se preocupa com a postura quando usa um dispositivo móvel, nem percebe quanto tempo passa com o pescoço inclinado. "Os brasileiros ficam em média quatro horas por dia de cabeça baixa mexendo nos seus aparelhos eletrônicos e isso pode levar a alterações nas regiões cervical e lombar da coluna, provocando fortes dores nas costas, no pescoço e na cabeça" diz.


A especialista explica que o peso da cabeça triplica com a inclinação do corpo, podendo causar lesão por sobrecarga. "Em posição normal, a cabeça de um adulto pesa cerca de 5 quilos, com a postura curvada para baixo o contrapeso pode atingir até 15 quilos sem a pessoa nem perceba". Entre os traumatismos decorrentes, está a cefaleia cervicogênica, uma pressão intensa nas partes superior e posterior do pescoço que é facilmente confundida com dor de cabeça e enxaqueca.


Silvia Serri salienta que, dependendo do nível da tensão, as dores podem se estender aos braços, ombros, punhos e cotovelos. Há situações em que a pessoa repete tanto o movimento de digitação que provoca também tendinite. Ela chama a atenção especial para as crianças. "Recente pesquisa publicada no The SpineJournal, apontou que o uso intenso e irregular desses aparelhos tem promovido problemas de hérnias de disco, principalmente, nas gerações mais jovens.


Para evitar problemas, a especialista aconselha sentar com a coluna reta e apoiar os braços, deixando o tablete ou telefone na altura dos olhos, além de limitar o tempo em frente da 'telinha'. "Também é importante praticar exercícios e se alongar para aliviar a tensão no pescoço, fazendo o movimento de 'sim' e 'não' com a cabeça, por exemplo. Prestar atenção à postura, e passar por avaliação médica e acompanhamento com fisioterapeuta também podem ser necessários", explica. A fisioterapeuta ressalta que o cuidado com a postura deve se estender aos computadores de mesa, notebook e videogames.

27/06/2017 - 05:54

Conecte-se

Revista Viva Mais