Conheça situações em que o lubrificante íntimo pode ser seu melhor amigo

O lubrificante íntimo não é feito somente para o sexo. Saiba outras situações em que ele pode ser um grande aliado

Redação Viva! Mais

Você usa lubrificante íntimo tanto quanto deveria? | <i>Crédito: Shutterstock
Você usa lubrificante íntimo tanto quanto deveria? | Crédito: Shutterstock
Quando o assunto é lubrificante íntimo, a primeira coisa que passa pela cabeça é sexo. Mas não devemos limitar a funcionalidade desse aliado na saúde feminina. O produto pode ser utilizado em várias situações, que vão além da relação sexual.
 
De acordo com uma pesquisa da Vagisil, aproximadamente 5 milhões de mulheres sofrem com ressecamento vaginal no Brasil. O problema gera ardência, coceira, dor durante o sexo, entre outros sintomas, no entanto, pode ser amenizado com o uso diário do lubrificante. Confira as causas mais comuns para a secura da área V:
 
Tratamento contra câncer
Pacientes com tumores, principalmente na região pélvica ou nas mamas, podem sofrer com a secura vaginal devido à diminuição do hormônio estrogênio, efeito colateral da quimioterapia/radioterapia e terapia hormonal. Em casos leves do problema, é possível amenizar os sintomas com lubrificantes – o importante é evitar fórmulas que contenham vaselina. Quanto mais natural o produto, melhor.
 
Período pós-parto
Normalmente, um casal pode retomar as relações sexuais entre 30 a 40 dias depois do parto normal ou cesariana. Porém, nesse período, algumas mulheres sofrem com o ressecamento da área íntima – obrigando-as a evitar relações sexuais por um tempinho. Isso acontece porque a produção de estrogênio aumenta durante a gravidez e, depois do parto, a sua concentração diminui até os níveis anteriores a gestação, enquanto os índices de progesterona sobem. Essas oscilações hormonais atrofiam os tecidos das paredes vaginais, reduzindo a elasticidade. Na maioria dos casos, a solução é simples: incrementar as preliminares e usar gel lubrificante.
 
Menopausa
A secura vaginal é comum entre mulheres que estão entrando ou já estão na menopausa. Nessa fase, os ovários produzem menos estrogênio. O resultado é propensão para secura, irritação e infeção vaginal. Cuidados como uma alimentação balanceada e beber bastante água podem ajudar, assim como apostar no lubrificante (principalmente no sexo), evitar duchas vaginais e roupas justas.
 
Alterações hormonais
Desequilíbrios hormonais são comuns e podem ocorrer por diversos motivos, como gravidez, ciclo menstrual, anticoncepcionais, estilo de vida (sono inconsistente, má alimentação, falta de exercício, etc), problemas de tireoide, diabetes, entre outros. Essa alteração nos níveis hormonais também pode acarretar no ressecamento vaginal. Adivinha o que pode deixá-la livre desse desconforto? Ele mesmo: o lubrificante.

31/03/2017 - 07:00

Conecte-se

Revista Viva Mais