Mitos e verdades sobre a plástica do nariz

Saiba tudo sobre a rinoplastia

Redação Viva! Mais

A plástica de nariz é bastante comum, mesmo assim ainda é fonte de muitas dúvidas | <i>Crédito: Shutterstock
A plástica de nariz é bastante comum, mesmo assim ainda é fonte de muitas dúvidas | Crédito: Shutterstock
Existe um mito de que toda cirurgia plástica tem apenas efeitos estéticos e nunca corretivos e/ou funcionais. Há inúmeros procedimentos realizados nesta especialidade que melhoram o desempenho de alguns órgãos do corpo.
Assim é o caso da rinoplastia, ou plástica de nariz. Além de manter a harmonia da estrutura externa do nariz com as formas do rosto, este procedimento pode corrigir os canais internos e melhorar a respiração. É um dos procedimentos que exigem bastante experiência do cirurgião plástico.
“A rinoplastia pode alterar o tamanho do nariz (em relação às outras estruturas do rosto), a altura, o comprimento, a largura do dorso nasal; a ponta, que pode ser elevada, caída ou grande; as narinas grandes largas ou arrebitadas; e a assimetria nasal e desvios”, explica o cirurgião plástico e titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Pedro Pita. “A cirurgia pode além do ganho estético, corrigir dificuldades respiratórias causadas por alguma alteração na estrutura original do nariz, tais como desvio de septo e hipertrofia dos cornetos”, completa.
Como na maioria dos casos em cirurgia plástica, o desejo do paciente é levado em conta e moderado de acordo com as possibilidades e a indicação do tipo de procedimento. No caso específico da rinoplastia, alguns pontos devem ser bem esclarecidos. “É preciso entender que cada tipo de nariz é formado de acordo com o tipo de pele, as posições dos ossos nasais e cartilagens (septal, laterais inferiores e superiores). É da combinação ou diferenças nesses espaços que determinam a aparência original do nariz a depender da etnia”, completa Pedro. O processo de remodelação levará em conta, antes de tudo, a satisfação do desejo do paciente, para sanar seus incômodos, com as normas que garantem harmonia e preservação das funcionalidades respiratórias”. 
Pita ainda comenta que os os cuidados para esta cirurgia são os básicos de toda cirurgia, com a bateria de exames pré-operatórios mais um parecer pré-operatório do otorrinolaringologista com objetivo de realizar um estudo da anatomia e da função respiratória. O tempo de internamento é de 24 horas, incluindo todo o procedimento e o tempo de observação. Para o pós-operatório, é indicado como complemento, a utilização do uso de alguns analgésicos, além de crioterapia e, a partir do sétimo dia após a cirurgia, a realização de sessões de fisioterapia dermatofuncional para potencializar recuperação e resultados. 

18/03/2017 - 07:30

Conecte-se

Revista Viva Mais